top of page
Sem título-1.png
308475244_455935769899963_7143841278663279999_n-removebg-preview.png

TEXTO AOS COMPOSITORES

VOLTAR

É com imensa felicidade que estamos dando mais um passo rumo ao carnaval de 2024 do Boi Vermelho da Vila Vintém. Nesta etapa, contaremos com o talento de vocês no processo de criação do nosso samba-enredo, que com as bençãos de Padre Cícero, nos conduzirá ao título, e a tão sonhada ascensão ao grupo especial da folia carioca.

Nosso principal objetivo com esse texto é detalhar os setores de nosso desfile, auxiliando-os na importantíssima missão de compor o nosso hino oficial para o carnaval que se aproxima.

 

 

Nosso primeiro setor, denominado “O mito do Padim (Esperança), apresenta a construção do mito de Padre Cícero. O interior do Ceará, na época de sua vida como padre, carecia de autoridades eclesiásticas, visto o desinteresse da Igreja Católica em se fazer mais presente nessa região. Tal falta abriu espaço e liberdade a um imaginário místico-religioso, uma espécie de crença espontânea, rica em manifestações orgânicas, sem um controle firme da Igreja. Acredita-se que este cenário tenha sido favorável para as inúmeras ligações que foram construídas relacionando o padre a simbologias divinas e sagradas, como por exemplo, o menino Jesus.

 

No segundo setor, denominado “O Apocalipse (Medo)”, retrataremos a ardente realidade do povo sertanejo, que muito sofreu com a seca e a fome. Ainda que a esperança não lhes faltasse, eles buscavam explicação para tanto sofrimento. O medo dessa gente com relação às intensas dificuldades que passaram no decorrer do tempo é o fio-condutor do segundo setor. O misticismo que habitava as mentes dos moradores do local deu espaço para que esse temor ganhasse diversas formas, muitas delas fantásticas. Relatos de lobisomens, caiporas, mulas-sem-cabeça eram extremamente comuns na época. Em uma mistura do fantástico e do real, esse momento do desfile caracteriza um Apocalipse no sertão, a partir de um acontecimento verídico: a pior seca que se tem registro na história, que durou três anos, de 1877 a 1879. Assim, da forma como Cristo lhe havia ordenado, Cícero esteve junto do povo protegendo-o das grandes mazelas.

 

 

Nosso terceiro setor, que encerra o desfile da Unidos de Padre Miguel, se chamará “O Redentor do Sertão (Fé). Nele, mostraremos que é a fé do sertanejo que o liberta e o cura do sofrimento. Nesse momento, glorificamos o Redentor do Sertão, e mostramos as obras e os milagres que o elevaram à condição de um grande líder religioso na região de Juazeiro e no resto do Nordeste. Cícero esteve junto do seu povo durante os três anos de seca, endereçando a súplica das almas amedrontadas aos céus, em um canal direto com o divino. Em 1880, a água voltaria a cair no solo castigado, e isso graças à fé que unia o sertão. Nove anos depois, os juazeirenses presenciaram o milagre que mudou a vida de Cícero, e fez com que ele ficasse cada vez mais conhecido: a hóstia, concedida pelas mãos do padre à beata Maria de Araújo, que se transformou em sangue vivo. Todos os presentes ficaram impressionados com a prova de que o padre teria poderes enviados pelo divino. Rapidamente ele se tornou uma personalidade mundial, tendo como resultado a peregrinação de milhares de fiéis em sua devoção. Assim, com sua missão em terra cumprida, o santo do povo voltou aos céus e continua a olhar seu povo, que espera um dia a volta do Redentor do Sertão.

 

 

CARNAVALESCOS: Edson Pereira e Lucas Milato

bottom of page